.Conhecer as contadoras de histórias

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.Novos reinados

. A girafa Constipada

. As autoras de Um conto de...

. O CARACOL PREGUIÇOSO E A ...

. Para breve

. Voltaremos brevemente

. As autoras de Um Conto de...

. O príncipe pintor

. A Zebra que perdeu o Pija...

. No País da Chuva

. Não podia deixar de...

. Um conto de reis a quatr...

. A lagarta Raquel

. Para breve

. Feliz 2008

. Uma aventura com fantasma...

. Para breve

. Pégadas de Areia

. Um Conto de reis

. A Rosa perdida

. A Rosa perdida Parte I

. Para a semana

. História da Bruxinha Andr...

. Para breve :

.Já reinaram

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2003

. Abril 2003

. Fevereiro 2003

. Janeiro 2003

.tags

. todas as tags

a ler histórias
blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008

No País da Chuva

No País da Chuva não fazia vento, não havia sol.

No céu, muitas nuvens cinzentas e azuis escuras transbordavam mais de mil gotinhas de água por minuto. Como estas nuvens estavam sempre muito "gordinhas" passava o dia a chover.

Os habitantes do país da Chuva eram magrinhos e cinzentos como o tempo. Eles não tinham culpa de serem pouco alegres, pois com um clima tão triste era difícil as pessoas serem mais bem dispostas. Afinal, mal se podiam mexer, por andarem sempre carregados de chapéus-de-chuva e vestidos com camisolões, casacos, gabardines e outros fatos impermeáveis.

A chuva, que nunca parava, obrigava-os a ficar quase sempre em casa.

Não iam à praia nem ao jardim.

Não tinham esplanada nem campos de futebol ao ar livre.

Não andavam de bicicleta nem de mota.

Estavam condenados a não apreciarem as radiosas manhãs e as soalheiras tardes de sol que nós tão bem conhecemos.

Constipavam-se muitas vezes por mês, de tal forma que, em certa altura, deixou de haver um único lenço de papel no País da Chuva e os meninos e as meninas traziam o nariz vermelho e entupido.

O País da Chuva era governado por um rei que tinha pelo menos dez crises de amígdalas por ano. Chamava-se D. Gargantilha. Ora, D. Gargantilha era casado com a rainha Dona Sininha , uma senhora que sofria de sinusite crónica. Por sorte, os reis eram pais de três princesas muito bonitas e saudáveis. As princesinhas já eram crescidas, estando em idade casadoira, porém nenhum príncipe dos reinos mais próximos se mostrava interessado em casar com qualquer uma delas. Nenhum deles queria um dia vir a ser rei do País da Chuva. Orientar um povo tristonho, usar permanentemente chapéu-de-chuva e galochas e passar  dias enfadonhos a olhar as nuvens "gordinhas" através das janelas do castelo não devia ser muito agradável...

Assim, as princesinhas, apesar de respirarem boa saúde, estavam cada vez mais tristes.

Um dia, tudo mudou.

Era mais um dia chuvoso, quando apareceu no País da Chuva um belo e, aparentemente, pobre rapaz.

O moço, igualmente em idade casadoira, estava muito sujo. Tão sujo que chegava a cheirar mal. O seu cabelo loiro parecia cinzento. Usava umas roupas velhas e desbotadas. Estava perdido.

Aproximou-se dos portões do castelo. Tocou na sineta e esperou. Logo surgiu um guarda. Quando este já se preparava para o mandar embora, devido ao seu aspecto de vagabundo, a princesa Laurinha (filha do meio dos reis do país da Chuva) apareceu. Estava de saída, ia às compras - comprar mais um guarda-chuva, porque os seus já estavam gastos de tantas gotinhas de água caídas do céu. A princesa Laurinha assistiu à conversa do rapaz com o seu guarda e decidiu interceder a favor do moço. O pobrezinho disse-lhe que se tinha perdido e que estava muito cansado por andar há sete dias e sete noites sem parar. Tinha fome, precisava de tomar banho e de lavar as suas roupas. Contou-lhe também que já tinha pedido ajuda a outros reis e rainhas de reinos por onde tinha passado e que ninguém o ajudou. A princesa Laurinha ficou com pena do rapaz e levou-o para dentro do castelo.

Depois de o ter apresentado aos pais e às irmãs, mostrou-lhe a casa-de-banho real e a cozinha real. O rapaz lavou-se e saciou a sua fome com uma perna de perú

Quando voltou novamente à presença da família real parecia outro, estava irreconhecível. Também vestia umas roupas limpas que um súbdito de D. Gargantilha lhe havia arranjado. Era muito bonito e bem parecido. Alto, louro, de olhos azuis. Finalmente, apresentou-se como sendo o filho primogénito do rei do país do Sol. Confessou estar apaixonado pela bondade e simplicidade da princesa Laurinha e pediu ao rei a sua mão em casamento.

A princesa Laurinha ficou muito contente e D. Gargantilha não encontrou motivos para não deixar a sua filha casar com aquele príncipe. O único receio que tinha era o de nunca mais voltar a ver a sua princesinha, já que ela, certamente, ia preferir mudar-se para o País do Sol, uma vez que tinha vivido sempre na chuva.

Mas o melhor ainda estava para vir...

O príncipe revelou que por ser o filho primogénito do rei do país do Sol tinha sido abençoado por uma fada quando nasceu que lhe tinha concedido o dom de levar o sol consigo. Assim, deu um bocadinho de sol ao País da Chuva.

Os príncipes casaram no mês seguinte, deram uma grande festa, viveram felizes para sempre e tiveram muitos filhinhos. O príncipe, que abdicou de reinar no País do Sol, ficou a viver com a princesa Laurinha no País da Chuva.

A partir dessa data não faltou sol a este reino e todos os seus habitantes puderam deixar de usar chapéu-de-chuva e de trazer o nariz vermelho entupido. Todos os meninos e meninas conheceram a felicidade de andar de baloiço no jardim e de nadar na praia sem terem medo de se constiparem. D. Gargantilha não teve mais amígdalas e Dona Sininha melhorou da sinusite.

Do País da Chuva apenas permaneceu o nome...

De Sara V. , in "Duas Mãos Cheias de Histórias" (Escrito e ilustrado por mim)

Fantasia sonhada por Sara V. às 10:00
link do post | Fantasie | Quero fantasia na minha vida
4 comentários:
De Mamã Gansa a 28 de Fevereiro de 2008 às 10:04
uma história fantástica com muita chuva fruto deste tempo mas cheia de calor humano.
De Sara V. a 2 de Março de 2008 às 01:13
Obrigado! Mas no fim, o sol venceu!!! Não queriamos as crianças sempre constipadas e de nariz entupido, pois não?! Ah, ah!
Bjs
De lalalalallala a 6 de Junho de 2008 às 22:00
gostei do tema e da participação
De Sara V. a 7 de Junho de 2008 às 21:47
Obrigado!
Volte sempre.

Comentar post

.links

.Andamos por aqui..