.Conhecer as contadoras de histórias

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.Novos reinados

. A girafa Constipada

. As autoras de Um conto de...

. O CARACOL PREGUIÇOSO E A ...

. Para breve

. Voltaremos brevemente

. As autoras de Um Conto de...

. O príncipe pintor

. A Zebra que perdeu o Pija...

. No País da Chuva

. Não podia deixar de...

. Um conto de reis a quatr...

. A lagarta Raquel

. Para breve

. Feliz 2008

. Uma aventura com fantasma...

. Para breve

. Pégadas de Areia

. Um Conto de reis

. A Rosa perdida

. A Rosa perdida Parte I

. Para a semana

. História da Bruxinha Andr...

. Para breve :

.Já reinaram

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2003

. Abril 2003

. Fevereiro 2003

. Janeiro 2003

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007

Pégadas de Areia

  Era uma vez, outra vez o mar… Marisol de olhos tristes e sonhadores, mais uma vez passeava descalça junto ao mar. O dia inda não rompera por completo, só agora se viam os primeiros raios de sol a se espreguiçar. Mas, todos os dias, àquela hora, Marisol passeava descalça junto ao mar. Aguardava a chegada do pai, que regressava da sua faina por aquela hora. Desde que se entendia por gente que gostava de aguardar a chegada do pai e ver os pescadores recolherem as redes. Quando a pesca era boa alegria, era tanta que parecia uma festa, e se por acaso calhava alguém passar na praia àquela hora, tinha por vezes a sorte de ser brindado com algum peixinho fresquinho, que assim “caído” do mar para o prato até sabia melhor. Mas quando a pesca não rendia, quase não se ouvia nenhum som, a não ser o suave marulhar das ondas e o pesado arrastar das redes vazias, anunciando, pratos vazios e dias de fome. Mas apesar de tudo os piores dias não eram esses, pois pouco tempo depois, com a graça de Deus (e dos peixes), tudo se compunha. Os piores dias eram aqueles em que por força da necessidade os pescadores se lançavam ao mar bravio e não mais tornavam. Os piores dias eram aqueles em que os pescadores por vezes eram surpreendidos com o mau tempo e só a muito custo regressavam. Naquele dia Marisol acordara com um estranho pressentimento. Dirigira-se para a praia mais cedo que o costume e agudizaram-se os seus medos. Das letras pouco sabia, (apesar das suas catorze primaveras já contadas), mas sabia ler nas nuvens e nas ondas a vontade do mar. E naquele dia o mar parecia-lhe bravo, enraivecido, irado por tudo e por nada, como um homem que em certos dias acorda zangado com a vida. As horas passavam-se e a embarcação de seu pai não regressava. O mar cada vez mais irado encapelava-se. Marisol ajoelhara-se na areia, as ondas por vezes acariciavam-lhe os joelhos deixando-lhe a saia molhada, e rezava pedindo que seu pai regressasse. A praia enchera-se de mulheres de, algumas vestidas de negro pelo mar lhes ter roubado os seus maridos. Falavam entre si e choravam, antevendo a mágoa de uma morte anunciada. Mas, Marisol permanecia queda e muda, olhos fitos no mar e pensamento firme em Deus, ignorando tudo em seu redor, como se, só ela, a praia e o céu existissem naquele momento. E, de repente, fosse pela reza de Marisol, ou porque a hora de seu pai ainda não tinha chegado, ou porque a vontade de Deus assim o queria: o mar amainou, o sol brilhou com mais força e o barco de seu pai regressou, com mais companheiros que tinham salvo de morte certa, motivo pelo qual se tinham atrasado tanto naquela manhã. Marisol ergueu-se e abraçou o pai assim que este chegou, chorando de alegria e alívio. Mais tarde dirigiu-se à capelinha para levara flores, para agradecer a Nossa Senhora a protecção a seu pai e seus companheiros e qual não foi o seu espanto, quando, ao começar arranjar as flores, verificou que os pés da santa se encontravam cobertos de areia húmida, olhou para trás e reparou que um rasto de pequenas pegadas marcadas de areia húmida conduziam ao altar da santa. Conto de ficção da minha autoria inspirado as lendas que a minha avó materna exímia contadora de histórias, natural de Olhão e filha de pescadores me contava na infância. Ilustração das fotos das fotos do sapo álbum de Nunoeninha
Fantasia sonhada por Mamã Gansa às 09:22
link do post | Fantasie | Quero fantasia na minha vida
1 comentário:
De CresceNet a 24 de Novembro de 2007 às 13:47
Oi, achei seu blog pelo google está bem interessante gostei desse post. Gostaria de falar sobre o CresceNet (http://www.provedorcrescenet.com). O CresceNet (http://www.provedorcrescenet.com) é um provedor de internet discada (http://www.provedorcrescenet.com) que remunera seus usuários pelo tempo conectado. Exatamente isso que você leu, estão pagando para você conectar. O provedor (http://www.provedorcrescenet.com) paga 20 centavos por hora de conexão discada (http://www.provedorcrescenet.com) com ligação local para mais de 2100 cidades do Brasil. O CresceNet tem um acelerador de conexão (http://www.provedorcrescenet.com), que deixa sua conexão até 10 vezes mais rápida. Quem utiliza banda larga (http://www.provedorcrescenet.com) pode lucrar também, basta se cadastrar no CresceNet e quando for dormir conectar por discada, é possível pagar a ADSL só com o dinheiro (http://www.provedorcrescenet.com) da discada. Nos horários de minuto único o gasto com telefone é mínimo e a remuneração do CresceNet generosa. Se você quiser linkar o Cresce.Net (http://www.provedorcrescenet.com)(www.provedorcrescenet.com) no seu blog eu ficaria agradecido, até mais e sucesso. If is possible add the CresceNet(www.provedorcrescenet.com) in your blogroll, I thank. Good bye friend. (5163605557)

Comentar post

.links